Skaters na Casa da Música

Quando por lá passo, ali estão eles, em grupos rolando de cá para lá, conversando, apanhando sol, desfrutando do bom piso liso que o espaço fronteiro ao edifício lhes proporciona. Uma ou outra subida / descida tornam ainda mais apetecível o lugar para estas deambulações sobre rodas.
Passo por eles e penso: a que distância estão estes membros-da-tribo de-skaters da mensagem do evangelho, ou pior, da “mensagem da Igreja” (o que quer que ela contenha)? A que distância da linguagem, da simbólica, dos ritos, do discurso, de todas e qualquer mediações estarão eles? Estes jovens estão a anos-luz da Igreja e esta talvez ainda mais distante deles. Que teria a Igreja para lhes oferecer de que eles tenham sede?
E como seria a presença de Jesus junto deles? Que “abordagem pastoral” praticaria? Subiria para um desses skates? Faria perguntas? Moralizaria?
Não sei se nós, dentro da Igreja temos a cabal consciência da profundidade em que caiu o nosso discurso “autorreferencial” de que fala o Papa. Isto é, teremos a noção de como são ultra periféricas pessoas e grupos que até estão relativamente perto de nós, geograficamente falando? E quando nos tentamos aproximar, fazemo-lo a partir de onde? Meia dúzia de “pensamentos-pensados” ainda que bem intencionados?
Talvez seja melhor deixá-los rolar… Quem sabe encontrem laços de pertença comum, de comunhão, de entreajuda que escasseiam em não poucas das nossas comunidades.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s