É um pouco isto…

A minha mente e o meu espírito têm o seu conjunto de pensamentos, especialmente erráticos nos primeiros momentos depois de acordar. Quando me aproximo da Palavra de Deus, interrompe-se o ciclo de pensamentos, com as suas compulsões, as suas prioridades, a sua escala de valores. A Palavra de Deus, se acreditada, é disrupção e deslocação. E isso é bom, porque me descentra de mim, dos caprichos do Ego, da estreiteza da minha forma de entender a vida, da entropia e da pequenez. Quando a antífona do Salmo diz: “Exulta de alegria no Senhor!” não é um desejo piedoso ou quimérico, mas uma injunção séria: um movimento de abandono de um caminho para entrar num outro. Esse movimento é o passar do Egodrama ao Teodrama. E a vida cristã é sempre esse trânsito da entropia às “planícies ilimitadas de Deus”, como escreveu o poeta Ruy Belo. Essa passagem do Egodrama ao Teodrama é sempre fonte de alegria e liberdade. É uma passagem do quarto claustrofóbico à paisagem aberta e fresca.
É perigoso o homem de um só livro”, diziam-me em tempos. “Livro” em sentido metafórico: há muitas formas de totalitarismo na nossa vida, muitas avenidas de um sentido só. Ficamos presos a esta forma de pensar, a este juízo sobre os outros e sobre a vida. E é isso que é perigoso. A Palavra de Deus é sempre uma pedra de tropeço na minha mundivisão. É como as setas de direção do caminho de Santiago, sem as quais o peregrino caminha errante.
A direção para que aponta a Palavra de Deus não é da ordem da moral ou do exortativo, mas existencial e terapêutico. Isto é muito importante porque, estou convencido, não poucos cristãos fazem da religião um adorno sossegado. Contudo, essa Palavra tem a força de uma tempestade, vento que tudo varre.
O teólogo Karl Rahner falava das palavras “vindas de baixo” e das palavras “vindas de cima”. É uma metáfora espacial muito usada na religião (cima/baixo), mas elucidativa daquilo que pretendo dizer: se ficamos limitados às palavras vindas de baixo, com certeza que respiramos na mesma, mas o ar é mais poluído e menos benfazejo. Temos de trazer ao nosso dia essas palavras lá de cima. Dizemos, na linguagem teológica que a Palavra de Deus é performativa – isto é, faz aquilo que diz. Esta realidade tem uma força tremenda porque se uma palavra tem esse poder, ela, no limite, pode dar o que de mais precioso a nossa vida tem: a felicidade.
Termino, recorrendo de novo, a um episódio do Antigo Testamento, que já por aqui citei: o vale de ossos que, quando visitados pelo sopro de Deus, recobram a vida e tornam-se um conjunto de seres viventes. A Palavra, o sopro, o hálito, não existem para ornamentar a nossa existência, mas para fazerem de nós seres viventes, nós que, no dizer de S. Gregório de Nissa, “vivemos uma vida morta”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s