A voz aos amigos (XXIII)

Viver o infinito

É curioso como afirmações antagónicas, podem, no entanto, ser todas verdadeiras, como acontece com os pontos de vista que são fruto da posição de cada observador. A lua é ligeiramente desigual aos olhos de quem vive nas diferentes partes do mundo. E mais do que conterem parte da verdade, essas afirmações antagónicas podem mesmo complementar-se e aproximar-se mais do inalcançável horizonte da verdade.
Vem isto a propósito dum poema em que tropecei e que afirma algo tão diferente do “Carpe Diem” da moda. Diferente do aproveita o momento presente, vive o aqui e agora, o passado já se foi e o futuro ainda não existe…

“As aventuras não têm tempo, não têm princípio nem fim.
E meus livros são aventuras, para mim são a minha maior aventura.
Escrevendo, descubro sempre um novo pedaço do infinito.
Vivo no infinito, o momento não conta”.
(João Guimarães Rosa)

De facto. é importante não desperdiçar nada do presente mas também se esse presente tudo absorve e concentra, mesmo a possibilidade de ter uma direcção, então isso não será tão meritoso como aparenta. Teremos capacidade de estar, já, no infinito? Perscrutar esta hipótese é fascinante. Tentar descobrir qual o cheiro da estrada para além do que se vê nesta curva do caminho. Tudo indica que a estrada continua porque até aqui, sempre houve estrada.

Podemos ouvir aqui Maria Betânia durante um minuto:

Paulo Farinha

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s