Incitadores do desejo

No livro que li do teólogo Paul Valadier, este afirma que a Igreja, melhor dito, os cristãos, devem ser “incitadores do desejo”. Esta expressão ficou registada, à espera de vez.

Frequentemente associamos a fé, a Igreja, ao domínio do racional: “acreditas em Deus?” situa-se no mesmo patamar em que acreditamos ou não na justiça em Portugal. Também acreditamos nas verdades da fé, no Credo, em tudo o que a Santa Madre Igreja recomenda. O ato de crer aparece empobrecido e mutilado. No mercado global contemporâneo das mil vozes, que lugar haverá ainda para falar da fé (o que quer que entendamos desta expressão)?

Mas agora, incitar ao desejo, isso é outra música. “Incitar” para evocar um ato de transgressão, uma atitude deliberada e intencional de provocar um efeito. Quanto à palavra “desejo”, quanto haveria a dizer dela. A Igreja lá foi tendo alguma desconfiança sobre os “desejos da carne”. Desejar escapa à ordem do racional, do controlo. É uma erupção da vontade, indómita, o coração do crente na procura desabrida do objeto do seu amor. Não vamos lá pelo sermão. Não aquecemos porque não estamos quentes. Nos relatos dos evangelhos relativos à ressurreição de Jesus, amo particularmente a figura de Maria Madalena. Ela chora, corre, prostra-se aos pés do Cristo. Fala dele, mas não a acreditam. Os apóstolos estão no domínio do racional, ela vive e ama apaixonadamente. Maria madalena foi uma verdadeira incitadora do desejo. Quem dera descesse assim um fogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s