Palavras autênticas

“Muito poucas palavras autênticas são partilhadas cada dia, mesmo muito poucas. Talvez tenhamos de nos apaixonar para finalmente começarmos a falar. Talvez abramos um livro para finalmente começar a ouvir”.

Christian Bobin

 Dentre as palavras que dizemos, quantas revelam o ser? Quantas das nossas palavras são verdadeiras? E, dessas, quantas desvendam algo do nosso ser? À medida que os anos passam, constato que as pessoas praticam a “arte do ocultamento do ser“: falar de tudo e de nada durante muito tempo, muitos dias, muitos anos, enquanto o mundo interior, vasto e profundo, permanece fechado. Tolentino Mendonça lamenta: “Falámos só de coisas inúteis/ e o mundo inteiro se escondia“.

Pode ser uma opção, se a pessoa escolhe não abrir o seu ‘jardim secreto’ a outros. Mais assustador, é sermos habitados por esse mundo e nem nós dele termos notícia.

E quando somamos pessoa com pessoa, geramos grupos e grupos criam sociedades. É impossível viver uma vida comum de mentira: a vida onde as verdadeiras máscaras, invisíveis, não desaparecem do nosso rosto.

 Mas quando palavra e verdade se enlaçam, alguma coisa em nós vê a luz do dia, alguma coisa  é resgatada da morte .

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s